sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Eu acreditava...


Ainda em lua de mel com o twitter, no dia da criança participei de uma brincadeira bem legal, que foi twitar no que você acreditava quando era criança. Acabei lembrando de um monte de coisa. E como muita gente não transita por lá, resolvi botar aqui, com a vantagem de ser menos sintética.

Eu acreditava que as crianças eram "dadas" na maternidade para as mães.Simplesmente  elas iam lá, e a Dona Cegonha entregava o bebê embrulhado num pacote!

Acreditei nisso até uns quatro anos. Pois depois eu comecei a reparar na barriga, e como eu questionava tudo, os adultos me disseram que as mulheres iam no hospital, abriam a barriga e tinham os bêbes. Simples assim!

Como dizia um personagem antigo do Jô Soares: Eu acrediteiiiiii!!!

Um belo dia, aos sete anos, uma amiguinha da escola me falou que não era beeeem assim, e me explicou da pior forma de onde realmente vinham ( a maioria) dos bêbes. E eu passei o primeiro recibo de otária que consigo me lembrar. Anos e anos de terapia pra curar esse processo!

Eu também acreditei por muito tempo que o Mário Lago era irmão do meu avô Antonio. Eles eram muito parecidos, e eu achava que todas as pessoas fisicamente parecidas eram aparentadas de alguma forma. Pior foi que eu contei essa minha desconfiança e expus essa teoria doida pra escola inteira. Recibo de otária número 2.

Nessa eu não só acreditava, eu tinha certeza (absoluta) de que seria cantora de discoteca quando crescesse! E pra piorar eu era fã da Gretchen (ai ai ai!!!). Ainda bem que nesse tempo ela não tinha virado atriz pornô.

Agora a última, e que eu acabei desacreditando da pior forma: Eu achava que os personagens da TV moravam dentro do aparelho. Que era só tirar a tela e pular pra dentro do mundo encantado!

Um belo dia, aproveitando a distração dos adultos, pequei um utensilio de cozinha que se usava pra lavar mamadeiras e improvisei uma chave de fenda com o cabo  pra tentar desencaixar a tela da tv. Era um aparelho com imagem preto e branco e móvel de madeira.

No que enfiei o cabo, que era de metal, levei um tremendo choque! A sorte foi que fui jogada a uns dois metros de distância, senão, não estaria aqui pra contar...

Depois de escrever o parágrafo acima, me dou conta de que eu não fui uma criança fácil! Nesse episódio da tv eu tinha apenas 3 anos... Bom, depois dessa, eu não gostaria de estar na pele dos adultos que me criaram.

E vocês ai, no que acreditavam e o que aprontaram?

5 comentários:

Drika disse...

kkkk, gostei.
Lá em casa tinha um quadro, que só depois percebi que é comum em várias casas, mas que eu acreditava serem meus pais quando mais jovens, que o castelo do quadro era a casa deles e que tiveram aquele cavalo e cachorro... Foi a maior decepção quando descobri que não eram eles. Que era só um quadro qualquer...

Taynná =) disse...

Eu acreditava que a Sandy e o Junior eram namorados!! E eu achava também que um dia eu seria ginasta, que participaria de uma Olimpíada. O porém é que nem estrelinha eu sabia virar.
rs

Beijoo

Ita Andrade disse...

Ai Adriana, faz tanto tempo que eu era criança...mas vamos la:
Como eu não tive irmãos, eu acreditava que todos os amigos seriam irmãos para sempre e me comprometia sagradamente com essas relaçoes e quando acontecia de não me quererem mais, eu adoecia, era como perder um irmão de verdade.
Ainda bem que a gente cresce, né não?
um abraço minha querida

Cris* disse...

Eu acreditava em tantas coisas...rs
Mas o maior certificado de otária foi quando descobri que a gente não poderia ver Jesus quando ficávamos de olhos abertos embaixo do chuveiro ligado ¬¬"
Foi uma prima, safada...rs, que dizia isso...e durante muito sofrer eu sempre dizia q nao estava vendo Ele...rsrsrsr
Mas ainda bem nunca desisti de acreditar que Ele existisse e hoje sei onde sempre posso encontrá-lo! ^^

Beijão em todos!

Carolina disse...

Eu acreditava piamente em finais felizes por mais clichê que possa parecer. Levei esta idéia por uns bons anos....

Muito bom este post!

bjos meus