quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Direitos Cassados




Tem horas em que definitivamente não dá pra ficar calada! A indignação é mais forte.

O mundo as vezes é muito injusto. Enquanto tem muitas mulheres por aí loucas pra serem mães, tristes por não conseguirem engravidar, outras que engravidaram e pariram, simplesmente negligenciam suas crias!

Hoje tive tanta raiva no trabalho ao me deparar com um caso de negligência que quase baixo o barraco ali mesmo.
Respirei fundo vinte e cinco vezes, engoli a raiva, e guardei pra desabafar aqui.

Imaginem vocês uma criança de dois anos com um tipo de câncer nos olhos que já lhe tirou uma visão e que corre o risco de perder a outra. E que a mãe simplesmente deixa de levar as consultas e exames.

Hoje me aparece a avó paterna, com a criança pelas mãos me dizendo que estava tomando conta da situação. Mas que a mãe nem sequer havia se dado ao trabalho de dizer quais os exames e quais as consultas teriam de ser feitas, e ela estava tendo de descobrir tudo sozinha!

-E onde está a mãe?- perguntei.

- Em casa, gastando o dinheiro do benefício que a criança recebe!

Caramba! Tive tanta raiva que me deu vontade de ligar pra mãe e lhe dizer todos os desaforos possíveis e imaginaveis.

Mas a situação não se resolveria com desaforos.

Então fui pensar no relatório que vou enviar pro conselho tutelar.

Quando a gente assiste aos filmes americanos e vê os Assistentes Sociais indo nas casas tomar as criancinhas de seus pais, ficamos achando aquilo o fim do mundo! Até eu já tive essa sensação uma porrada de vezes, confesso.

Mas hoje, se fosse resolver da minha maneira, eu não só "cassava" os direitos daquela mãe, "filha da mãe", como ainda mandava ela pra cadeia por uns bons meses pra pensar na vida!

3 comentários:

Elvis "Wolvie" disse...

Lamentável situação! =(
Infelizmente, é mais comum do que gostaríamos que fosse...

Valéria Martins disse...

É fogo, mas por que será que essa mãe age assim? Como foi a infância dela? Que tipo de mãe ela teve?... Não procuro desculpar essa mãe, apenas ter uma visão maior da situação.
Mas confesso que, num primeiro momento, dá vontade de bater em gente assim. Dar uma surra pra ver se acorda.
Bjs

Calabresa disse...

Valéria
Depois do post publicado, falando com minha orientadora de estágio, fui levada a olhar a situação por esse ângulo. Realmente, esse comportamento pode a reprodução do tratamento que a mãe recebeu. Não justifica, mas explica!
Mais uma lição aprendida. Subindo mais um degrau a caminho da maturidade!
Bjsss