sábado, 11 de outubro de 2008

"Pra pensar..."

"Um homem idoso foi a uma Clínica fazer um curativo na mão ferida.
Ele disse estar apressado pois estava atrasado pra um compromisso.
O jovem médico quis saber o motivo da pressa. Ele disse que ia num
Asilo de Velhos
tomar o café da manhã com sua mulher, que estava internada lá há bastante tempo.
Ela sofria de "Alzeimer" em estágio avançado.

Então o médico perguntou-lhe se ela não se assustaria por ele se atrasar.
- Não, ela já não sabe quem eu sou. Há quase 5 anos ela nem me reconhece.

O médico pergunta:
- Mas, se ela não te reconhece, porque querer estar com ela todas as manhãs?

O velho sorriu e disse:
- É verdade... Ela não sabe quem eu sou, mas eu sei muito bem QUEM ELA É.

Enquanto o velho saía apressado, o jovem médico pensava:
Esta é a qualidade de Amor que eu gostaria para a minha vida."

Recebi essa mensagem hoje. Mais um daqueles e-mails que a galera escreve no assunto "Pra pensar"...

Acabei pensando mesmo. Mas por outro ângulo.

Todo mundo quer um amor assim. Até eu. Mas quantos estão prontos a oferecer um amor assim?

Anos atrás, quando estava me preparando pra casar, fiz um rápido curso de noivos na igreja.

Na época questionei quando o pastor me disse: " Uma pessoa não se casa pra ser feliz, mas pra fazer outra feliz". E complementou: "E vice-versa".

Na hora, não entendi. Passei anos sem entender na verdade. E só fui entender na hora da separação, por mais contraditório que isso seja!

Eu casei. Amava, e muito... Mas uma hora começou a não ser bom!

Não estava dando certo, mas eu não queria me separar.

Foi aí que um grande amigo me disse : "que existia uma grande diferença entre "amar o outro e se amar no outro"(!)

Que amor de verdade é quando a gente busca fazer alguém feliz. Mesmo que isso significasse deixa-la ir embora.

Naquela hora deu um insight. Na verdade, um dos mais dolorosos da minha vida.

Poucos dias depois, arrumei minha mala e fui embora.

Naquele momento, era a maior prova de amor que eu podia dar. Manter aquele casamento, estava sendo "me amar" nele.

Amar é doação, entrega. Exige seu tempo, sua energia.

Nesse mundo egoísta, na maioria das vezes procuramos ser felizes a todo custo, e isso também inclui exigir que alguém nos proporcione isso.

Mas, quanto, nós estamos dispostos a dar?

Querer um amor como o da história acima todos querem.

Repito: até eu.

Mas, quantos de nós estamos dispostos a amar assim?

2 comentários:

Ita Andrade disse...

Se for para ler pensamentos como este, eu espero! pode ser um post por mes, eu espero e não desisto deste blog.

Elvis "Wolvie" Rodrigues disse...

Olá, Adriana!
Obrigado pela visita À Toca do Lobo. =D

Vou adicionar seu blog aos favoritos do browser e, se acabar me tornando frequentador, como penso que irá acontecer, aos links do meu blog, ok?

Adorei o seu post. Aliás, recomendo que assista ao filme Longe Dela. É sobre um casal em idade avançada que tem que lidar com o Alzheimer. Absolutamente tocante. Nunca um filme me fez ficar tão angustiado do início ao fim por presenciar aquela situação. E fiquei desejando também viver um amor como esse, que me fizesse abdicar de tudo por alguém.
Quem sabe um dia, né? =)

E admito que é difícil amar mais a alguém do que ao relacionamento em si. Deixar alguém partir por ser melhor para aquela pessoa.

Abraço e sinta-se à vontade no meu blog, ok? =)