quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Tecendo a Manhã


 
1

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

João Cabral de Melo Neto

*********************************************************

Esse poema fez parte ontem, do discurso de formatura dos alunos do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFPE, nos quais, euzinha me incluo. Finalmente, o dia da colação de grau chegou! Nele aconteceram tantas coisas que vale uma crônica, pois ele foi tudo menos comum. Volto depois.

4 comentários:

Ciça Lize disse...

Pois é como digo sempre esse lugar não é nada comum,rsrsrsr..adoroooooo!!
bjs

Ciça Lize disse...

Pois é como digo sempre esse lugar não é nada comum,rsrsrsr..adoroooooo!!
bjs

Paloma Flores disse...

Parabéns pela formatura!!! Fico muito feliz por você, você merece! =)
Sim, galo sozinho não levanta uma manhã. Pensa só ot rabalho que ia dar... Não, sozinho ele não consegue. Mas todos juntos sim. Adorei o poema!

Carolina disse...

Volte e nos conte tudo!
PARABÉNS!!!!!!!!!

bjos e bom feriado