domingo, 20 de setembro de 2009

A herança



Além das lembranças (boas e más) quem um dia foi casado no papel vai ter que carregar pra sempre outra "herança". E nem adianta reclamar!

Você pode até, ter tomado um chá, pra esquecer até do nome da figurinha com quem você um dia jurou amor eterno, e cujo desfecho não foi tão terno assim. Mas a lei não vai te deixar esquecer.

Acabo de descobrir isso. Pois precisei da certidão do divórcio.

Chego no cartório, dou o meu nome e peço a certidão:

O homem do cartório olha pra mim, como se eu fosse um ET, e diz:
-" Como é o nome do seu marido?"
-"Não é marido, é EX marido!"- Respondo.
-"Mesmo assim, senhora. A busca só pode ser feita pelo nome do marido".

Como assim cara pálida , quer dizer que eu não posso usar meu própio nome pra bucar a "minha" certidão?    Não, não posso. A regra é que seja pelo nome do cônjuge "HOMEM".

 E eu, já puta da minha vida, sou obrigada a aceitar, afinal, não foi o homem do cartório quem fez a lei!

Ele vai lá, pega o livrão e acha o "assento" do evento. Traz pra que eu veja, e eu reconheço a minha assinatura.  Sim, eu um dia, há muito tempo atrás, assinei aquele livro crendo piamente que seria pra sempre!

O homem vai lá dentro e traz um formulário e um boleto.

Pra completar, o boleto com a taxa que precisava ser paga veio no nome do EX, também. Isso ai, foi o cúmulo do machismo. Eu paguei, mas pra todos os efeitos quem pagou foi ele. Apesar do dito cujo não pagar mais as minhas contas há séculos!

 Espero, sinceramente que um dia acabe esse machismo latente, que coloca nós mulheres sempre em posição subalterna. Dependentes do homem, até quando não dependem mais dele pra nada.

Não foi pra sempre o casamento. Mas será pra sempre a certidão com os nossos nomes misturados! Pelo menos isso, valerá pra nós dois.

Na hora, pensei em tirar uma segunda via do meu registro civil. Mas essa saida é contra a lei, segundo minha irmã futura advogada, consultada posteriormente.

Só me resta protestar por aqui.

 O estado civil "divorciada", eu não faço questão, declaro na boa. Só gostaria de ter minha certidão de nascimento de volta. E que futuramente, essa lei machista seja revista.

6 comentários:

Valéria Martins disse...

Não sabia que já tinha sido casada... Pois é, eu também já fui. E quando a gente tem filhos com a figura, então, é parente para toda a vida... Mas não é tão ruim quando a pessoa é bem educada, é o meu caso (de ambas as partes).

Boa sorte na nova condição! Beijos!

Paloma Flores disse...

A maravilha da burocracia machista...

Boa semana.

Adriana Calábria disse...

Pois é Valéria, eu já fui casada no papel.
O ex, como o seu, também é uma pessoa bem educada, felizmente.

E como não tivemos filhos tudo foi fácil do ponto de vista prático pelo menos.

Bjsss

Carolina disse...

Menina,
casada no papel ou não, te digo que esta herança é pra sempre. E com filhos pior ainda, mas se o tempo acabou na boa, como o meu casado a "malinha" permanece presente de qualquer forma. rs

Mas que horror esta história no cartório. O machismo ainda impera neste país. É latente!

bjos meus

Ciça Lize disse...

Pois é amiga...Por isso que sempre digo:
Marido não é pra sempre...JÁ EX MARIDO...Ahhh esse vc vai ter que aturar,srrsrsr!!

Tb ficaria puta da vida no seu lugar!!!

Opss, quero tanto q vc me mande algo para publicar no site, assim divulgo seu blog!!
Obaaaaaaaa vou esperar tá!!
beijo beijo

lola aronovich disse...

Cruz credo, Adri! É impressionante como a burocracia consegue ser toda machista...
Ah, parabéns pela sua formatura! E agora, já vai partir pro mestrado?