domingo, 23 de agosto de 2009

O X da Paixão.

O que estive fazendo pra não ter terminado a faculdade em tempo hábil? Eu respondo: Vivendo uma paixão.
Tive e tenho que conviver com essa pergunta nos olhos e na boca das pessoas.
Se paixão fosse classificada com CID (Código Internacional de Doenças) talvez fosse mais fácil explicar que eu joguei minha vida pro alto por culpa dela.
Em muitos casos dá pra conciliar. No meu caso, não deu.

Eu não me arrependo do que vivi. Só me arrependo de ter aberto mão de coisas importantes. Mas tudo é aprendizado. Eu devia ter balanceado as coisas, mas não sabia fazer. Ainda estou aprendendo, mas é difícil.
Agora sei que não se pode abrir mão de tudo... Mas, só agora!

Ps.: Ainda com as lamparinas do juizo apagadas! 
Escrevi um esboço de post, e ao invés de salvar como rascunho, publiquei sem querer!  Fiz alguns ajustes e resolvi deixa-lo.

6 comentários:

Cristiny disse...

Fico pensando se todo mundo tivesse a coragem de amar plenamente como seria...
A gente ama, se entrega, se doa de maneira única e vivemos aquela sensação deliciosa do desprendimento. Se valeu? a resposta é singular...
Particularmente não me arrependo de nada do que fiz por amor...mas se pudesse voltar "pincelaria" mais cuidado comigo, porque ai as coisas ao meu ver estariam mais equilibradas...
Escutei um dia desses de um amigo que "ser amado é muito cômodo" que amemos juntos! ^^
Um beijão amiga! Adorei o post
=)

. fina flor . disse...

olha, agora entendi porque atrasei um ano minha faculdade, rsrsr*

beijos, querida e boa semana

MM.

Paloma Flores disse...

Ah, mas isso é assim mesmo. Todos passamos por isso, não é? Ou, pelo menos, devíamos passar, porque, assim é que aprendemos a não abrir mão de tudo por amor. Ou a abrir, sei lá. Vai do aprendizado de cada um...

Carolina disse...

Adri, qdo entrei na faculdade de jornalismo estava no auge da adolescência e optei por uma paixão, no meio do curso. Deixei a minha família, que preza muito pelo estudo, loucos. Recuei, parei, voltei e finalmente terminei.
Se hoje, olho pra trás, não me arrependo, apesar da formação concluída aos trancos e barrancos, com a cabeça mais no coração do que no resto. Aqueles anos foram um borrão, falando academicamente, mas menina em relação a paixão valeu e muito mais que a faculdade, viu? Mesmo que não tenha dado certo com o cara, valeu por mim mesma. E neste quesito me formei honrosamente.
Hoje, aos 40 anos, estou terminando outra faculdade - pedagogia empresarial - e agora sim curtindo pra valer a vida acadêmica.
Dá pra entender as pessoas? Não, mas este é o grande barato da vida. Somos um mosaico de experiências.

bjos meus

Taynná Monteiro Gripp disse...

ah se todos nós arriscássemos a vida por um amor, uma paixão!! O mundo seria mais leve, mais bonito, e menos profissional! ;D
Andei me entregando mto ultimamente, e me magoando, mas nesse terreno, tudo vale a pena! Sempre! Beijos!

Valéria Martins disse...

Fez muito bem em deixá-lo. E quem pode julgar que você tenha feito algo errado? Uma paixão é coisa muito séria e boa de se viver. É claro que acaba, como tudo na vida, até a vida da gente. Mas é importante viver as coisas intensamente, que bom que você viveu esta paixão! Agora pode se dedicar aos estudos e daqui a pouco virá nova paixão. Tudo se renova.

Beijos